sábado, 19 de março de 2011

Pai

Facto: é impossível ser mãe sem que haja um pai. Saltemos à frente de alternativas igualmente válidas (a adopção sendo mãe solteira, etc.) e fixemo-nos na parte biológica da coisa: para haver um filho é preciso haver uma mãe (que doa metade da carga genética da criança) e um pai (que assegura os restantes 50%).

Eu não fujo a isto: sou mãe porque há um pai envolvido no processo. E tenho a sorte de ter feito um casting como deve ser e de ter escolhido um pai em condições. Um super-pai, na verdade. Um pai de brinca às bonecas e joga à bola, que se arrasta pelo chão da casa atrás de uma miúda com os níveis de energia muito em cima, que rebola na relva, que a leva a passear, que a ensina a ser uma cidadã consciente (e que lhe dá aulas de reciclagem e de civismo, por exemplo), que se derrete com ela, que se zanga de vez em quando (que o processo educativo não é fácil...), que se desmancha a rir e que chora em igual medida.

Hoje de manhã, por exemplo. Ela a desejar-lhe um feliz dia do pai assim que acordou e ele lavado em lágrimas. E é nestes momentos que eu confirmo: fiz uma belíssima escolha. E tive uma sorte descomunal em ser escolhida para mãe dos filhos dele.


4 comentários:

  1. Fico muito contente por saber isso!
    Continuação de felicidades para a família!

    stellamaris.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  2. Lindo este post, Marianne... ainda bem que vocês se encontraram.

    ResponderEliminar
  3. Tão bonito! Eu ainda não sou mãe, mas também tenho a sorte de ter um pai como deve ser. Não assim tão divertido, mas igualmente especial.
    Beijinhos

    ResponderEliminar